Protagonismo como arma contra o preconceito: Azul é a cor mais quente – Parte 4

A homossexualidade feminina trata-se de um universo peculiar em que o relacionamento de duas mulheres desafia a compreensão geral. O termo “lésbica”, surgiu quando a poetisa grega Safo cantou liricamente o amor entre mulheres da cidade de Lesbos, localizada em uma ilha Grega. Atualmente, a homossexualidade feminina surge como um tipo de subjetividade social e que busca uma “identidade lésbica” para estabelecer modelos sociais positivos.

Amanda Barros é uma dessas mulheres que se assumiram como lésbica mesmo sabendo dos perigos que a sociedade a expõe. Aos seus 23 anos é graduada em licenciatura em História e construiu, junto com sua namorada Alana Amancio, a loja “aa.slz”. Ela nos contou como foi assumir para sua família a sua homossexualidade. “Por parte da minha mãe, senti medo do silêncio dela no início. Depois de uma semana, ela me aceitou e disse que já sabia que eu era diferente da minha irmã (heterossexual). Meu pai me aceitou logo e minha irmã já sabia, os outros familiares já desconfiavam, mas não tive desentendimento com nenhum deles, tenho acesso livre com minha namorada a todos os eventos de família e tenho o respeito dos mesmos”.

O acolhimento familiar é essencial para acabar com o preconceito contra a homossexualidade. Só no Brasil, cerca de 4,9% das mulheres se declaram homossexual, conforme a pesquisa Mosaico Brasil, realizado pelo Projeto Sexualidade (Prosex). O número deve ser muito maior, pois assumir ser lésbica ainda é uma grande dificuldade. Amanda Barros também sentiu medo de ser negada e passou anos ocultando sua sexualidade. “No âmbito familiar, o receio de ser negada era grande. No Social, eu prefiro nem me focar muito, pois é desgastante. Só vejo algumas pessoas se preocupando em demonstrar o quanto são a favor de quem eu sou, mas não perdem a oportunidade de julgar outras lésbicas, como se eu fosse a única que pode ser aceita”.

A representatividade homossexual ainda é muito fraca em vários meios sociais. “É sempre bom e confortável ter alguém dentro do assunto e que vivencie pra representar algo e elaborar metas para combater as situações constrangedoras que passamos. Acredito que os resultados são melhores”, diz Amanda Barros. A mulher lésbica ainda é muito marginalizada nos filmes e séries. Muitas vezes são representadas somente como objetos de fantasia sexuais. “Existe algo que me incomoda que é o fetiche pela relação entre duas mulheres, a falta de respeito e a constante erotização. Tenho medo de demonstração de afeto em lugares públicos por receio de uma tentativa de assédio ou abuso.”

O filme mais famoso que traz a mulher lésbica como protagonista é o “Azul é a Cor Mais Quente”. O filme de produção francesa, conta a história da personagem Adéle, interpretada por Adèle Exarchopoulos que se descobre lésbica. A coadjuvante acaba representando os desafios que várias mulheres homossexuais enfrentam em sua adolescência. Adèle mostra durante o filme ser confusa sobre a sua sexualidade e não conseguia desabafar com suas amigas da escola. Amanda passou por isso e até se privava de ficar sozinha com suas amigas por medo do preconceito. “Dá pra perceber que nessas horas há uma preocupação, então pra que eu não tivesse que ver ou perceber isso, eu sempre saía antes. Hoje nem ligo, até porque quem anda comigo ou se aproxima, sabe ou aprende na mesma hora que o fato de estar perto de uma lésbica não significa que a mesma vai ser agarrada”.

Essa reportagem faz parte da Revista Dandara e teve a participação de Janilson Silva, Samuel Reis, Talila Frazão e Thárcila Castro. Ela será apresentada nesse blog em 5 partes.

Digite seu e-mail para assinar as notificações deste site

Junte-se a 2.462 outros seguidores

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: