Em Recife, oito entre dez casos de sífilis congênita não são notificados

A subnotificação de casos de sífilis congênita em bebês e crianças chega a 80,9% na capital pernambucana, o que compromete o conhecimento real da magnitude da sífilis na cidade. O dado é de estudo de pesquisadores da Secretaria de Saúde do Recife, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), da Fundação Joaquim Nabuco e do Instituto Aggeu Magalhães, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), de Recife, publicado na revista “Epidemiologia e Serviços de Saúde” na quarta (25).

Anúncios

Para estimar as subnotificações de óbitos fetais e infantis que tiveram a sífilis congênita como causa básica ou associada em Recife, os pesquisadores cruzaram dados registrados entre 2010 e 2016 no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) e no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). Os casos confirmados de sífilis congênita precisam ser, obrigatoriamente, notificados no Sinan, que é a principal fonte de dados epidemiológicos da doença. Além da subnotificação de 80,9% no Sinan, no SIM houve subnotificação de 7% das mortes relacionadas à doença.

A morte por sífilis congênita é considerada um desfecho evitável, uma vez que a doença possui tratamento e métodos de prevenção amplamente divulgados. Ao mostrar as subnotificações, o estudo aponta para uma lacuna na vigilância epidemiológica e no acompanhamento da doença.

A pesquisadora Martha Maria de Albuquerque Belo, autora do estudo, explica que podem ocorrer falhas diversas na captação e notificação desses casos no Sinan pela assistência materno-infantil, o que faz com que as autoridades sanitárias só tomem ciência deles quando o paciente morre. “Outro ponto que também eleva essa taxa no sistema é a não continuidade do preenchimento e evolução do caso”, comenta.  Já o SIM é um sistema que contabiliza o desfecho, o óbito, e a subnotificação é atrelada a falhas no preenchimento da declaração de óbito ou na inclusão dos dados no próprio sistema.

Anúncios

Apesar da elevada subnotificação, Recife registra 29,1 casos de sífilis congênita para mil nascidos, enquanto a média de Pernambuco é de 11,8 e a nacional é de 6,5. De acordo com Belo, não é possível afirmar que a incidência de casos de sífilis congênita em outras localidades seria a mesma de Recife caso não houvesse subnotificação nestas regiões. Contudo, ressalta a pesquisadora, “esse questionamento é tema de um número crescente de estudos com abrangência municipal e/ou estadual, que já identificaram até o triplo de casos subnotificados quando realizadas buscas ativas em prontuários ou no SIM”.

Para ajudar nos serviços de vigilância da sífilis, Belo orienta que a técnica de cruzamento de bancos de dados, com uso de análise probabilística, seja implementada na rotina desses serviços. “Com isso, seria possível facilitar o encontro das subnotificações e, assim, contribuir para a qualidade das informações fornecidas ao sistema”. É com base nestas informações que se formulam e implementam políticas públicas e estratégias de prevenção da sífilis.

Fonte: Agência Bori

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: