Ficar atento aos sinais é essencial para a prevenção ao suicídio entre crianças e adolescentes

Neste 10 de setembro, Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, o Pequeno Príncipe, maior hospital exclusivamente pediátrico, como sede em Curitiba e referência em atendimentos dessa natureza, lembra que o cuidado com a saúde mental, com o acompanhamento de especialistas, é a melhor forma de combater o problema. Infelizmente, a realidade no país chama a atenção. De 50% a 60% de pessoas que morreram por suicídio nunca se consultaram com um profissional de saúde mental ao longo da vida, de acordo com dados divulgados pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Anúncios

O dado é alarmante, tendo em vista que o suicídio continua sendo uma das principais causas de morte em todo o mundo e a quarta causa de óbitos entre jovens de 15 a 29 anos, segundo as últimas estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS). Ou seja, o tema é urgente e precisa ser discutido em todas as áreas de convívio social.

“O acolhimento é essencial para quem vive essa realidade. Desta forma, a pessoa sente-se protegida para falar e organizar as infinidades de sentimentos e pensamentos. Percebemos que as crianças são menos suscetíveis para as ideações suicidas, embora tenham a manifestação de sintomas depressivos ou quadros de ansiedade. A procura de um profissional de saúde mental é essencial”, explica a médica psiquiatra Maria Carolina Oliveira Serafim, coordenadora do Setor de Psiquiatria da Infância e Adolescência do Hospital Pequeno Príncipe.

Maior incidência entre os jovens

Os dados comprovam que os adolescentes são mais propensos ao problema. No Pequeno Príncipe, de janeiro a agosto de 2021, foram notificados 21 casos divididos entre tentativa de suicídio e autoagressão contra 12 ocorrências registradas durante o mesmo período do ano passado, ou seja, um aumento de 75%. As maiores incidências foram verificadas entre maio e agosto, sendo 18 do sexo feminino e todas na faixa etária dos 10 a 16 anos.

A médica especialista em Medicina do Adolescente do Hospital Pequeno Príncipe, Darci Vieira da Silva Bonetto, destaca que o adolescente vive uma fase de muitos conflitos com ele mesmo e em relação àqueles que o cercam. “Percebemos que esse público sofre uma série de transformações e que nem sempre são aceitas, gerando frustração. Isso gera conflitos internos, normais nesse período. Entretanto, o que leva o adolescente ao suicídio é o ambiente onde ele vive, as pessoas com quem ele convive, o uso de drogas e outras substâncias, a questão genética e, principalmente, a existência de alguma doença mental, como depressão, bipolaridade ou outros transtornos”, enfatiza.

Anúncios

São registrados mais de 13 mil suicídios todos os anos no Brasil, sendo que 96,8% dos casos estavam relacionados a transtornos mentais, segundo a ABP. “Com a pandemia, percebemos que as expectativas dos adolescentes foram ainda mais frustradas. Os familiares passaram a trabalhar em casa, mas isso não fez, necessariamente, com que estivessem mais próximos de seus filhos. E isso se soma com a falta de perspectiva e angústia gerada pelo período”, completa Darci.

A pediatra ressalta que uma pessoa emocionalmente bem e equilibrada não chega ao extremo do ato suicida, por isso é muito importante a família fazer-se presente e estar sempre atenta às mudanças repentinas de comportamento e alterações de humor. “Além disso, é necessário ver o que a criança está consumindo, com quem está falando, quem são os amigos e influências. Principalmente na internet é muito comum que os jovens sofram cyberbullying ou participem de desafios e jogos on-line que colocam suas vidas em risco. A orientação, nesse caso, é essencial”, finaliza a médica.

Alguns sinais em crianças e adolescentes merecem atenção e indicam a necessidade de acompanhamento psicológico e/ou médico:

CRIANÇAS

– Mudanças repentinas de comportamento, como: isolamento, impulsividade, tristeza constante, insegurança e agressividade.

– Percepção distorcida da própria imagem e baixa autoestima.

– Dificuldade de relacionamento com pessoas da mesma idade.

– Queda no desempenho escolar ou falta de vontade de ir à escola.

Anúncios

ADOLESCENTES

– Introversão associada a momentos de agressividade.

– Automutilação em regiões não visíveis, para esconder.

– Atração por comportamento de risco.

– Geralmente comem muito ou comem menos que o usual.

– Mudança de sono, insônia ou dormem demais.

– Dificuldade de se motivar em fazer o que antes era prazeroso.

– Sentimento de abandono.

– Desesperança em relação ao futuro.

– Uso de álcool e outras drogas.

A psicóloga do Pequeno Príncipe, Angela Bley, destaca algumas atitudes que familiares, amigos e pessoas próximas podem adotar diante dos sinais de risco de suicídio na infância e adolescência:

– Incentivar a procurar ajuda de profissionais especializados em saúde mental.

– Acolher de forma carinhosa e mostrar-se disposto a conversar e disponível a ouvir.

– Estar próximo, numa relação de confiança, e saber sobre a vida da pessoa.

– Incentivar a acreditar em seu potencial e elogiar sempre que possível.

– Não fazer julgamentos prévios e preconceituosos, como “quem ameaça não se mata”.

– Não fazer interpretações de que o suicídio é uma forma de chamar atenção.

– Não deixar o adolescente sozinho, principalmente se perceber que há perigo iminente.

– Não comparar problemas, sofrimentos, conquistas ou atitudes com outras pessoas.

– Nunca minimizar, desvalorizar, rotular, abandonar, incentivar ou desafiar.

– Sempre levar a sério, escutar sem julgamento, oferecer ajuda e acompanhar.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: