Falta de coordenação no Ministério da Saúde foi determinante para colapso do SUS durante a pandemia

O Sistema Único de Saúde no Brasil é referência em atendimento universal à saúde no mundo, mas entrou em colapso durante a pandemia da Covid-19. Pesquisadores da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV/EAESP), mostram que a falta de coordenação do Ministério da Saúde teve papel determinante neste colapso, ao deixar regiões sem leitos e insumos, como respiradores. A análise está publicada na revista “Cadernos Ebape”, de sexta (29).

Anúncios

A pesquisa analisou a resiliência do SUS e evidenciou a importância de uma rede integrada de atendimento e a necessidade de atenção dos governos sobre a saúde pública. A análise buscou classificar fortalezas, fragilidades e desafios de estrutura e organização do sistema que influenciam na pandemia, utilizando um modelo de análise de resiliência de sistemas de saúde proposto pela Organização Mundial da Saúde (OMS). As áreas analisadas incluem liderança e governança, financiamento, produtos estratégicos para a saúde, força de trabalho, urgência e emergência, saúde digital e informação em saúde e prestação de serviços (ações de saúde pública e vigilância; atenção primária em saúde; atenção especializada e hospitalar).

Segundo os pesquisadores, grande parte das fragilidades apontadas têm relação com a gestão do sistema pelo Ministério da Saúde, além da falta de investimento e prioridade em melhorias. Entre elas, estão a não articulação de compras conjuntas entre estados e municípios para manutenção de estoques de segurança de insumos e EPIs, a alocação da maioria dos leitos em hospitais de pequeno porte que não poderiam atender com o suporte necessário para casos graves de Covid-19 e a falta de um sistema de informação integrado.

Adriano Massuda, co-autor do estudo, explica que a falta de coordenação nacional agravou problemas estruturais do SUS. “O sistema viabilizou a expansão da cobertura de atenção básica, mas a atenção hospitalar permaneceu concentrada em poucos centros urbanos e no setor privado. Além da insuficiência de leitos hospitalares, a frágil integração de redes assistenciais em regiões de saúde gera duplicação de filas e desperdício no uso desses escassos recursos”, analisa o pesquisador.

Anúncios

Durante a crise no sistema com a pandemia, o SUS chegou a ser criticado pela falta de suporte no atendimento. De acordo com os pesquisadores, dispor de um sistema universal como é o SUS deveria ser uma fortaleza para o país enfrentar situações de emergência de saúde pública – como foi resposta em outras situações crise como nas epidemias de H1N1, dengue e zika. Entretanto, a combinação das crises política e econômica, seguidas por políticas de austeridade fiscal tem deteriorado a capacidade de gestão, levando a um aumento de ineficiências e desperdício.

Em conclusão, os especialistas resumem que a pandemia evidenciou a importância de um sistema público de saúde resiliente. “Eles são essenciais não só para a efetivação do direito à saúde, mas também para a manutenção de atividades sociais e econômicas. Num cenário pós-Covid-19, fortalecer o SUS e aprimorar sua gestão devem estar na agenda da saúde e de outros setores da sociedade”, finaliza Massuda.

Fonte: Agência Bori

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: