Apesar de peculiaridades, desafios para a conservação em Madagáscar são similares aos do Brasil

André Julião | Agência FAPESP – Um território com área equivalente à do Estado de Minas Gerais em que 82% das espécies de plantas e 90% dos vertebrados só ocorrem lá. Convivendo com essa biodiversidade única no planeta, uma população com um dos menores índices de desenvolvimento humano (IDH) do mundo. Madagáscar, país insular na costa sudeste africana, possui o desafio de harmonizar a conservação com o desenvolvimento.

Anúncios

Um retrato dessa diversidade biológica, as principais ameaças e as perspectivas para sua conservação compõem dois estudos publicados na revista Science nesta quinta-feira (01/12) por pesquisadores de 50 organizações de todo o mundo, incluindo uma brasileira apoiada pela FAPESP.

“Do ponto de vista da conservação, Madagáscar tem desafios parecidos com os do Brasil. É um país em desenvolvimento, mas com áreas remotas pobres. Ambos precisam trabalhar a conservação junto à melhoria das condições sociais”, afirma Thaís Guedes, do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (IB-Unicamp), uma das autoras dos estudos.

Anúncios

Em um deles, o time de pesquisadores faz uma extensa revisão e atualização do que se sabe sobre a evolução, distribuição e usos da biodiversidade da ilha. Os cientistas mostram que as espécies de Madagáscar são tão próprias daquele lugar que a extinção de apenas uma delas pode significar ao mesmo tempo o fim de toda uma linhagem evolutiva.

“Falamos que Madagáscar tem espécies únicas no mundo, mas isso vai além. Existem categorias maiores que espécies que só existem lá, como a dos lêmures [Lemuroidea], toda uma ordem de aves [Mesitornithiformes] e todas, exceto três espécies, de sapos mantelídeos. A perda de uma espécie pode representar o fim de toda uma linhagem que demorou milhões de anos para se constituir”, diz Guedes.

No caso dos lêmures, linhagens inteiras já foram extintas, como as dos lêmures-koala, lêmures-macacos e lêmures-preguiça. Desapareceram da natureza ainda as duas espécies de hipopótamo da ilha, tartarugas gigantes, além da ordem das aves-elefante. Segundo os pesquisadores, extinções como essa representam implicações de grande escala para o funcionamento do ecossistema.

Anúncios

Os dados atualizados pelo estudo dão conta de que hoje há descritas na ilha 11.516 espécies de plantas vasculares (82% endêmicas) e 1.215 briófitas (28% exclusivas do território). Entre os vertebrados terrestres e de água doce, 95% dos mamíferos, 56% das aves, 81% dos peixes de rios e 98% dos répteis não são encontrados em nenhum outro lugar na Terra.

São tidas como extintas 13 espécies endêmicas, considerando apenas extinções depois do ano 1500. Outras 33 extinções ocorreram em tempos pré-históricos, ainda assim associadas à chegada dos primeiros humanos na ilha.

Oportunidades

No outro estudo publicado, os autores refletem sobre o declínio da biodiversidade malgaxe, mas também apontam oportunidades de conservação para o país. Uma vez que grande parte da população retira o sustento das florestas na forma de lenha ou caça, os autores veem esse fato como uma oportunidade para um desenvolvimento baseado no uso sustentável da biodiversidade.

Anúncios

Das 40.283 espécies de plantas usadas por humanos no mundo, 1.916 (5%) são encontradas em Madagáscar, 595 endêmicas do país. Com 28 milhões de habitantes, 10,4% do território é protegido por lei.

“Até agora, o foco tem sido criar áreas protegidas e excluir seres humanos delas o máximo possível, diminuindo seus impactos na biodiversidade. Infelizmente, isso não tem trazido os resultados esperados, porque comunidades pobres – a grande maioria da população do país – precisam cozinhar e esquentar suas casas e, sem alternativas, cortam árvores das reservas existentes para usar a madeira”, conta Alexandre Antonelli, biólogo paulista que é diretor científico dos Jardins Botânicos Reais em Kew, ou Kew Gardens, na Inglaterra, e coordenou os estudos.

Por isso, os cientistas sugerem que a criação de novas áreas protegidas não deve ser o foco, mas, sim, restaurar matas fora desses territórios para diminuir a pressão sobre eles. O reflorestamento e a conservação, baseados em evidências científicas e efetividade, são algumas das cinco oportunidades que os autores listam para o país. Para chegar às sugestões, os cientistas debateram com pesquisadores de dentro e fora de Madagáscar, além de líderes conservacionistas e políticos.

Anúncios

Os autores sugerem ainda expandir o monitoramento da biodiversidade, incluindo a produção e a disponibilização de bancos de dados sobre as espécies. Além disso, reforçam a necessidade de aumentar a efetividade da proteção das áreas existentes, seja pelo engajamento das comunidades, treinamento e oportunidades de geração de renda. Para isso, iniciativas de conservação e restauração devem incluir também paisagens e comunidades do entorno das áreas protegidas. Por fim, as ações para conservar as florestas devem levar em conta as principais causas da perda de biodiversidade, o que inclui a pobreza e a insegurança alimentar, problemas que afetam também o Brasil, apesar das peculiaridades de cada país.

“É de enorme interesse nacional e global que florestas de ambos os países sejam preservadas e áreas degradadas sejam restauradas. Elas capturam e armazenam grandes quantidades de carbono, o que é essencial para combatermos o aquecimento global. Quando são cortadas, as consequências afetam as populações mais marginalizadas da sociedade”, explica Antonelli.

Anúncios

O cientista lista entre os problemas decorrentes do desmatamento a falta de água potável em riachos e lençóis freáticos, maior risco de desmoronamentos em encostas de montanha, menor número de insetos polinizadores para a agricultura próxima às florestas e menor possibilidade para as comunidades humanas de enfrentar ondas de calor extremo, por falta de sombra e fator esfriante proporcionado pela evaporação de água das florestas.

“De modo geral, os padrões de riqueza de biodiversidade que apresentamos para Madagáscar são muito moldados pelo conhecimento de plantas e vertebrados. Não conhecemos muito bem invertebrados e fungos, por exemplo. Precisamos amostrar esses grupos pouco conhecidos, bem como empregar múltiplas métricas de diversidade em estudos futuros. Recomendamos, tanto para Madagáscar quanto para o Brasil, levar em conta não apenas a diversidade de espécies como a história evolutiva desses lugares”, encerra Guedes.

Anúncios

O artigo Madagascar’s extraordinary biodiversity: Evolution, distribution, and use pode ser acessado em: www.science.org/doi/10.1126/science.abf0869.

O estudo Madagascar’s extraordinary biodiversity: Threats and opportunities está disponível para assinantes em: www.science.org/doi/10.1126/science.adf1466.

Leia mais notícias em ocuboblog.com e nos sigam nas redes sociais: Facebook, Twitter, Telegram, Instagram e Tiktok. Colabore com mais informações nos enviando através do telefone e whatsapp/telegram (98) 98506-2064 ou pelo e-mail ocuboblog@gmail.com

Ou mande qualquer quantia pelo PIX para ocuboblog@gmail.com

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s