Arquivo da tag: jornalismo

Lula: BNDES voltará a ser motivo de orgulho do povo brasileiro

Na cerimônia de posse de Aloizio Mercadante à frente do banco, presidente reforçou a vocação da instituição como parceira para induzir a economia a partir de investimentos com potencial de inclusão social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) voltará a ser parceiro essencial na indução do crescimento com viés de inclusão social. A retomada de financiamentos para obras de vários setores e a consequente geração de empregos no mercado interno é uma das apostas do Governo Federal para que a economia seja reativada, com a participação ativa de micro, pequenas e médias empresas.
 

A sua missão, meu caro Aloizio, é fazer esse banco voltar a ser motivo de orgulho do povo brasileiro. Esse banco tem de pegar dinheiro e devolver para o governo gerando investimento, gerando emprego, gerando renda e gerando melhoria na qualidade de vida do nosso povo”

Presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Essa perspectiva foi a tônica do discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a cerimônia de posse do presidente do BNDES, Aloizio Mercadante. O evento ocorreu no Rio de Janeiro, na manhã desta segunda-feira, 6/02.
 

“A sua missão, meu caro Aloizio, é fazer esse banco voltar a ser motivo de orgulho do povo brasileiro. Esse banco tem de pegar dinheiro e devolver para o governo gerando investimento, gerando emprego, gerando renda e gerando melhoria na qualidade de vida do nosso povo”, afirmou Lula.
 

O presidente recordou o papel estratégico do BNDES ao longo de sua primeira gestão à frente do Governo Federal. Em 2002, o banco desembolsava R$ 37 bilhões para investimento. Em 2010, já eram 168 bilhões. Em 2021, contudo, caiu para R$ 64 bilhões.
 

“Se o BNDES é um banco de desenvolvimento e a gente percebe que, quando ele investe, a economia cresce, e quando não investe, a economia não cresce, eu fico me perguntando como é que vamos fazer voltar os investimentos em obra de infraestrutura nesse país”, questionou o presidente da República.
 

Lula citou que há mais de 14 mil obras paradas atualmente no país, quatro mil só na área de educação, além de muitas no setor de infraestrutura e logística. Para ele, o investimento a partir de financiamentos de bancos com viés sociais — casos de BNDES, CAIXA, Banco do Brasil, BASA e BNB — é uma forma de movimentar a economia, gerar empregos, induzir investimentos privados e priorizar a qualidade de vida dos brasileiros.
 

“Tem algumas palavras que são mágicas na boca de todos nós. A palavra credibilidade é muito importante para quem governa. A palavra estabilidade é importante. A palavra previsibilidade. A palavra responsabilidade fiscal é muito importante. A palavra responsabilidade social é mais importante ainda. O importante é saber qual delas a gente vai privilegiar ao sentar à mesa e decidir para que lado a balança vai pender em determinado momento”, disse o presidente. “Se nós temos uma dívida fiscal de 20 anos, de 30 anos, de 40 anos, nós temos uma dívida social de 100 anos uma dívida social de 200 anos, uma dívida social impagável se a gente não colocar o assunto como prioridade”, completou.
 

Para que essa dívida social seja equacionada, o presidente também cobrou de Mercadante os esforços para que a política do banco leve em conta a necessidade de juros mais baixos que os atualmente adotados pelo Banco Central para atrair investimentos e aportes.
 

“O BNDES pode contribuir para fazer com que a taxa de juros nesse país caia, porque não tem explicação para que a taxa de juros esteja 13,5%. Como vou pedir para os empresários ligados à FIESP investir, se eles não conseguem tomar dinheiro emprestado?”.
 

DESINFORMAÇÃO — Ao longo de sua fala, o presidente Lula reforçou, ainda, que um dos papéis da gestão de Aloizio Mercadante à frente do BNDES será desfazer uma série de desinformações que foram disseminadas em relação ao papel e à credibilidade do banco ao longo dos últimos anos.
 

“A primeira mentira foi a de que o BNDES era uma ‘caixa preta’. De tanto martelarem isso na cabeça das pessoas, o banco teve que gastar R$ 48 milhões em uma auditoria internacional. No fim, nada foi encontrado de irregular nas operações, porque todas foram contratadas com critérios técnicos e garantias firmes”, defendeu Lula.
 

Outra mentira disseminada, segundo o presidente, foi de que o BNDES repassava dinheiro direto a outros países. “O BNDES nunca deu dinheiro para “países amigos do governo”. O banco financiou o serviço de engenharia de empresas brasileiras em nada menos que 15 países da América Latina e do Caribe entre 1998 e 2017”, ressaltou. “Esse banco prestou enormes e grandes serviços ao povo brasileiro e vai continuar prestando”.
 

O evento no Rio de Janeiro contou com a presença do vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Geraldo Alckmin, de diversos titulares de ministérios do Governo Federal, do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, da presidente do Banco do Brasil, Tarciana Medeiros, do presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, além de diversos representantes do setor produtivo.

Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República
 

Você conhece a Agência Brasil da EBC? Lá você encontra as últimas notícias do Brasil e do mundo, além de informações sobre políticas públicas e serviços prestados pelo Governo Federal. A Agência Brasil mantém o foco no cidadão e prima pela precisão e clareza das informações que transmite, optando sempre pelas fontes primárias. Por se tratar de uma agência pública, o conteúdo por ela disponibilizado pode ser utilizado, gratuitamente, por outras agências, TVs e rádios do Brasil e do mundo, inclusive por você! Acesse aqui a Agência Brasil.

Cortejo marcará abertura do Crioula Festival

Nesta quinta-feira, 09, na abertura do Crioula Festival, haverá um grande Cortejo com a presença de diversos grupos de Tambor de Crioula no Centro Histórico de São Luís, que seguirá da Rua São Pantaleão até a Casa Barrica (Madre Deus), onde acontecerão os shows de Bicho Terra, Betto Pereira e muito mais, gratuitos. 

Nesse intuito, a coordenação do Festival reuniu líderes, Mestres e Mestras, representantes dos grupos de TC, no último sábado, 04, no espaço Catarina Mina – Praia Grande, para alinhamento do Cortejo. Presentes na ocasião, o coordenador geral do Crioula Festival, Emanuel Jesus, o coordenador folclórico Paulinho Dimaré, a produtora executiva Ellen Oliveira e demais membros da equipe. 

Moradora da Vila dos Frades, no Coroadinho, Analice Ferreira da Silva, do Tambor de Crioula Carinho de São Benedito, conta sobre sua satisfação ao receber o convite para participar do Crioula Festival: “A gente se sente confiante em ver nossa brincadeira mais valorizada, dentro deste festival tão importante para nossa Cultura. Vai ser uma festa muito bonita.”

“Essa é uma oportunidade de reunir todo mundo para uma grande roda no Crioula Festival. Será um momento de total integração, com festa, tambor e música”, atesta o coordenador folclórico Paulinho Dimaré. 

A concentração do Cortejo na quinta-feira, 09, será em frente a Casa das Minas, às 18h. O local foi escolhido devido a importância simbólica para a Cultura Popular. É o único terreiro Mina-jeje do Maranhão, fundado por escravos originários do Benim; a Casa das Minas fez parte da programação que instituiu o Tambor de Crioula do Maranhão como Patrimônio Imaterial Cultural Brasileiro, com a presença do então ministro da Cultura, Gilberto Gil.

Na programação estão: TC Um Degrau De Santa Luzia, TC Mestre Apolônio, TC Mestre Felipe, TC Mestre Leonardo, TC Jardim de São Benedito, TC Amizade do Povo, TC Arte Nossa, TC Vila Bacanga, TC Brinquedo de São Benedito, TC Carinho de São Benedito, TC Brilho de São Benedito, TC Alegria de São Benedito, TC Nossa Senhora do Amparo, TC Proteção de São Benedito, TC Tenda Espírita da Conceição, TC Mensageiro de São Benedito, TC Milagre de São Benedito, TC Unidos de São Benedito, TC Brilho de São Benedito, TC Tambor de Crioula do Maranhão, TC Anjos de São Benedito, TC Mestre Amaral, TC Pungar da Ilha, TC Unidos de São Benedito, TC Um Canto de Amor a São Luís, TC Catarina Mina, TC Amor de S. Benedito (Fé Em Deus), TC Alegria de São Benedito de São João Batista, Raízes de Olinda e TC Maracriolo.

O projeto “Crioula Festival” tem o patrocínio do Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo a Cultura, com a realização da Interart Produção Criativa, Ministério da Cultura/Governo Federal. Com o apoio da TV Mirante, Ibis Hotel São Luís e Espaço Viva (Nan Sousa).

PROGRAMAÇÃO:

DIA 07 FEV (Terça-feira)

9h às 17h – Oficinas de percussão, canto e dança na U. E. B. Henrique de La Roque Almeida (Vila Embratel)

DIA 09 FEV (Quinta-feira)

18h – Concentração Cortejo de Abertura em frente a Casa das Minas (Madre Deus) – Mais de 30 grupos na programação

18h30 – Saída do Cortejo Grupos de Tambor de Crioula

CASA BARRICA – Madre Deus

19h30 – Encerramento do Cortejo na Casa Barrica

19h45 – Abertura com grande Roda de Tambor de Crioula 

21h – Banda Crioula Festival*

Direção musical: Maestro Zé Américo Bastos

Convidados: Anastácia Lia e Carlos Pial 

Show Betto Pereira 

22h30 –  Roda grupos de Tambor de Crioula 

23h – Show Bicho Terra

DIA 10 FEV (Sexta-feira)

19h30 – Roda grupos de Tambor de Crioula

20h30 – Show Rufar dos Tambores – Luiz Cláudio e banda Parôpraquentá

21h – Banda Crioula Festival

Direção musical: Maestro Zé Américo Bastos

Convidados: Anastácia Lia e Carlos Pial

Show César Nascimento

23h00 – Roda Grupos de Tambor de Crioula

DIA 11 Fev (Sábado)

19h30 – Roda grupos de Tambor de Crioula

20h30 – Quarteto Crivador 

21h – Banda Crioula Festival

Direção musical: Maestro Zé Américo Bastos

Convidados: Anastácia Lia e Carlos Pial

Show Rita Benneditto 

23h00 – Roda Grupos de Tambor de Crioula

O projeto “Crioula Festival” tem o patrocínio do Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo a Cultura, com a realização da Interart Produção Criativa, Ministério da Cultura/Governo Federal. Com o apoio da TV Mirante, Ibis Hotel São Luís e Espaço Viva (Nan Sousa).

*BANDA CRIOULA FESTIVAL

Maestro Zé Américo Bastos  – Arranjos e direção musical

Batera – Oliveira Neto

Baixo – Carlos Raqueth 

Guitarra – Edinho Bastos 

Teclado – Jesiel Bives 

Percussão 1 – Carlos Pial 

Percussão 2 – Marquinhos Carcará 

Flauta/Soprano – Ricardo Mendes 

Trompete – Daniel Cavalcante 

Trombone – Daniel Miranda 

Vocais: Andréa Frazão, Mariana Rosa e Antonio Paiva.

Lula manifesta solidariedade a vítimas de terremoto que deixou mortos na Turquia e na Síria

Até a manhã desta segunda, governos dos países afetados contabilizavam mais de 1,6 mil mortos, 50 mil feridos e milhares de desaparecidos; ainda não há registro de brasileiros atingidos.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) manifestou solidariedade às vítimas do terremoto que atingiu uma região na fronteira entre a Síria e a Turquia, e deixou centenas de mortos nos dois países na manhã desta segunda (6) – noite de domingo (5), no horário de Brasília.

“Olhamos com preocupação para as notícias vindas da Turquia e Síria, após terremoto de grande magnitude. O Brasil manifesta sua solidariedade com os povos dos dois países, com as famílias das vítimas e todos que perderam suas casas nessa tragédia”, escreveu Lula em uma rede social.

Até as 9h20 desta segunda, o Ministério das Relações Exteriores ainda não havia informado a presença de brasileiros entre os mortos ou feridos pela catástrofe.

O balanço oficial dos governos da Síria e da Turquia apontava, até o mesmo horário, mais de 1,6 mil mortos e 50 mil feridos em decorrência do tremor.

O terremoto de magnitude 7,8 atingiu o sul da Turquia e o norte da Síria na segunda-feira, derrubando centenas de edifícios e matando pelo menos 1.200 pessoas nos dois países.

Acredita-se que centenas ainda estejam presas sob os escombros. O número de vítimas pode aumentar à medida que equipes de resgate vasculham os destroços em cidades e vilas tanto na Turquia quanto na Síria.

Em ambos os lados da fronteira turca, moradores foram acordados pelo terremoto antes do amanhecer e correram para fora em uma noite fria, chuvosa e com neve de inverno, enquanto os prédios foram destruídos e fortes tremores secundários continuaram.

Equipes de resgate e residentes em várias cidades procuraram por sobreviventes, trabalhando em emaranhados de metal e pilhas gigantes de concreto.

Por G1

Como jornalistas usam de falácia hipócrita para justificar crimes de policiais

Você deve ter escutado argumentos do tipo que “criminaliza o crime”. Aqueles argumentos que são usados para justificar o crime de policiais ou para desviar o assunto. Isso é tão comum que até mesmo jornalistas acabam perpetuando falácias hipócritas que justificam crimes cometidos por policiais.

Uma dessas falácias é a ideia de que a policia precisa usar força para proteger a sociedade. Embora seja verdade que a polícia tenha a responsabilidade de proteger a comunidade, isso não significa que a força excessiva seja justificável. Em muitos casos, a violência policial é usada de forma desproporcional, especialmente contra pessoas negras e pobres, e acaba agravando ainda mais a situação.

Outra falácia comum é a de que as vítimas de violência policial são criminosos perigosos. Essa narrativa perpetua estereótipos negativos e desumaniza as vítimas, sugerindo que merecem o que lhes aconteceu. Na verdade, muitas vezes, as vítimas são inocentes que foram alvo de abuso de poder policial.

Infelizmente, muitos jornalistas perpetuam essas falácias, sem questionar a narrativa oficial e sem investigar a verdade por trás desses casos. Isso acaba por perpetuar a cultura de impunidade e violência policial, ao invés de denunciá-la e buscar soluções para o problema.

É importante que jornalistas sejam críticos e objetivos ao cobrirem notícias de violência policial. É preciso questionar a narrativa oficial, investigar a verdade por trás dos casos e dar voz às vítimas e suas famílias. Desta forma, a imprensa pode desempenhar um papel realmente útil na busca por justiça e igualdade para todos.

Em resumo, ao perpetuarem falácias hipócritas, jornalistas acabam justificando crimes cometidos por policiais e perpetuando a cultura de impunidade e violência policial. É fundamental que a imprensa seja crítica e objetiva ao cobrir esses casos, investigando a verdade e dando voz às vítimas.

Leia mais notícias em ocuboblog.com e nos sigam nas redes sociais: Facebook, Twitter, Telegram, Instagram e Tiktok. Colabore com mais informações nos enviando através do telefone e whatsapp/telegram (98) 98506-2064 ou pelo e-mail ocuboblog@gmail.com

Ou mande qualquer quantia pelo PIX para ocuboblog@gmail.com

Lula retomará programa Minha Casa Minha Vida no dia 14 de fevereiro

Cerca de 3 mil unidades habitacionais devem ser inauguradas na data por todo país

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, afirmou, no domingo (5.fev), que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) irá retomar o programa Minha Casa Minha Vida no dia 14 de fevereiro. Segundo ele, na data, o mandatário visitará a Bahia, onde acompanhará a inauguração de um conjunto habitacional na cidade de Santo Amaro. 

No mesmo dia, também serão disponibilizadas outras 3 mil unidades residenciais em todo o país, bem como as diretrizes do Minha Casa Minha Vida. Rui Costa informou ainda que o governo deve dialogar com prefeitos e governadores para retomar as 120 mil obras da faixa 1 do programa – destinada a famílias de baixa renda -, que estão incompletas.

“O governo anterior extinguiu a faixa 1 do programa, destinada a pessoas mais carentes. Nós vamos retomar e garantir moradia às famílias que mais precisam. Infelizmente, a sensação que nós temos é de que não tinha governo. Essa é a expressão. Não é que o governo era apenas ruim, não existia”, disse o ministro.

Fonte: SBT News

Senai abre processo seletivo com salários que chegam a R$ 3,6 mil

Estão abertas as inscrições para o seletivo 002/2023 do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Departamento Regional do Maranhão (SENAI-MA). O Instituto Euvaldo Lodi (IEL-MA) será o executor do processo de seleção para preenchimento de vagas em cargos de nível médio e superior do Serviço Social da Indústria (SESI-MA) nos municípios de Açailândia, Caxias e São Luís. 

As oportunidades com salários que vão de R$ 1.998,32 a R$ 3.609,17, estão distribuídas para os cargos de Analista superior – pedagogo, Analista superior – especialista A, Assistente técnico – Assistente de T.I. (suporte), Assistente técnico – Assistente de T.I. (administrativo), Assistente técnico – Assistente administrativo (recursos humanos), Assistente técnico – Assistente administrativo (escolar), Assistente técnico – Assistente administrativo e Suporte técnico – serviços de manutenção. 

O valor da inscrição é de R$ 70,00, para nível médio e de R$ 90,00 para nível superior. As inscrições serão realizadas exclusivamente no site https://sistemas.fiema.org.br/seletivos/ até às 23h:59 do dia 7. 

Para a inscrição, o candidato deverá acessar o site citado acima, preencher todos os campos e enviar a solicitação de sua inscrição. Ao completar o preenchimento dos campos, o candidato deverá imprimir as informações e o boleto para o pagamento do valor da inscrição. 

Os interessados poderão obter outras informações somente pelo e-mail seletivo@fiema.org.br. 

Crioula Festival: Oficinas de canto e percussão serão ofertadas para alunos da comunidade da Vila Embratel

O Crioula Festival terá abertura oficial no dia 09 de fevereiro, quinta-feira, com um cortejo de grupos de crioula da Rua São Pantaleão até a Casa Barrica (Madre Deus) onde irão ocorrer os shows de Betto Pereira, Bicho Terra e muito mais, gratuitos. A concentração será em frente a Casa das Minas, às 18h. Mas antes disso, a festa de Música e Tambor já aquece na terça-feira, 07, às 9h da manhã, quando serão ofertadas oficinas de percussão, canto e dança, na U. E. Henrique de La Roque, no bairro da Vila Embratel.

Essa é uma forma de contribuir para a salvaguarda do Tambor de Crioula e difundir essa importante manifestação cultural entre os jovens. Uma oportunidade de total integração; os ministrantes César Nascimento, Betto Pereira e Carlos Pial são nomes consagrados na Música do Maranhão, assim como, as agentes culturais e coreiras Nadir Olga (do Tambor de Apolônio) e Carla Coreira (Capelinha de São Benedito), legítimas representantes da arte do Tambor de Crioula, em canto, toque e dança. A atividade proporciona uma troca e ampliação de conhecimentos aos estudantes de uma maneira descontraída e divertida, fortalecendo a Identidade Cultural do nosso Estado, em torno dessa manifestação, reconhecida pelo IPHAN como Patrimônio Imaterial da Cultura Brasileira desde 2007.

Tudo isso é o que estimula e impulsiona a primeira edição do Crioula Festival! Uma mistura perfeita de música, tambor e alegria. O projeto tem o patrocínio do Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com realização da Interart Produção Criativa, Ministério da Cultura/Governo Federal.

Siga o perfil nas redes sociais: @crioula_festival.

Tambor de Crioula – É uma forma de expressão de matriz afro-brasileira que envolve dança circular, canto e percussão de tambores. Seja ao ar livre, nas praças, no interior de terreiros, ou associado a outros eventos e manifestações, é realizado sem local específico ou calendário pré-fixado. Reconhecido em 2007 como Patrimônio Imaterial da Cultura Brasileira pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Desde então, o 18 de junho se tornou Dia Nacional marcado por festas em diversas cidades do Maranhão. Trazida para o estado por escravizados de diversas regiões africanas nos séculos XVIII e XIX, como divertimento ou uma forma de louvor e pagar promessa a São Benedito.Essa manifestação afro-brasileira ocorre na maioria dos municípios do Maranhão, envolvendo uma dança circular feminina, canto e percussão de tambores. Dela participam as coreiras ou dançadeiras, conduzidas pelo ritmo intenso dos tambores e pelo influxo das toadas evocadas por tocadores e cantadores, culminando na punga ou umbigada – gesto característico, entendido como saudação e convite. (FONTE: Fundação Palmares)

PROGRAMAÇÃO CRIOULA FESTIVAL

DIA 07 FEV (Terça-feira) – OFICINAS

9h às 17h – Oficinas de percussão, canto e dança na U. E. Henrique de La Roque (Vila Embratel)

DIA 09 FEV (Quinta-feira) – CORTEJO

18h – Concentração Cortejo de Abertura em frente a CASA DAS MINAS (Madre Deus)

18h30 – Saída do Cortejo Grupos de Tambor de Crioula (São 30 grupos, entre eles, Tambores de Crioula de Mestre Felipe, Um Degrau de Santa Luzia, Mestre Apolônio, Mestre Leonardo, Carinho de São Benedito, Arte Nossa, Brilho de São Benedito, Amizade do Povo e Brinquedo de São Benedito).

CASA BARRICA – Madre Deus

19h30 – Encerramento do Cortejo na Casa Barrica

19h45 – Abertura com grande Roda de Tambor de Crioula

21h – Banda Crioula Festival

Convidados: Anastácia Lia e Carlos Pial

Show Betto Pereira

22h30 – Roda com grupos de Tambor de Crioula

23h – Show Bicho Terra

DIA 10 FEV (Sexta-feira)

19h30 – Roda com grupos de Tambor de Crioula

20h30 – Show Rufar dos Tambores – Luiz Cláudio Farias e banda Parôpraquentá

21h – Banda Crioula Festival

Convidados: Anastácia Lia e Carlos Pial

Show César Nascimento

23h00 – Roda Grupos de Tambor de Crioula

DIA 11 Fev (Sábado)

19h30 – Roda grupos de Tambor de Crioula

20h30 – Quarteto Crivador

21h – Banda Crioula Festival

Convidados: Anastácia Lia e Carlos Pial

Show Rita Benneditto

23h00 – Roda Grupos de Tambor de Crioula

Experimentos do audiovisual em exposição no Centro Cultural Vale Maranhão

Videoinstalações em cartaz destacam aspectos do cotidiano, natureza, tempo e espaço

O uso de diferentes recursos audiovisuais para questionar perspectivas sobre espaço e tempo é o destaque da exposição Ocupa CCVM – Giro e Fluxus do Mundo, que será aberta ao público nesta terça-feira, 7 de fevereiro, às 15h, no Centro Cultural Vale Maranhão, com obras dos artistas visuais Wayner Tristão e Diego Ramos.

Giro, de Wayner Tristão, propõe uma sensação de êxtase provocada por diversas figuras em rotações. As imagens selecionadas – retiradas da internet – remetem a danças populares do Brasil e de outros países, assim como rituais onde predominam o giro entre os participantes. O recorte utilizado pelo artista destaca apenas a característica do movimento, renunciando ao caráter espaço-temporal, resultando em uma espécie de tique nervoso que dialoga com a aceleração e a repetição tão em voga na sociedade contemporânea.

Diego Ramos apresenta Fluxus do Mundo, uma instalação que integra as linguagens de audiovisual e da fotografia em um ambiente imersivo que propõe um olhar sutil sobre a natureza. A obra divide-se em duas partes: na primeira, uma série de cinco vídeos, exibidos em looping um ao lado do outro, apresenta folhas animadas pela técnica de cinemagrafia. O deslocamento suave dá a sensação de presenciarmos a respiração das plantas. No segundo momento da instalação, um vídeo de um galho rodeado pelo horizonte do mar remete ao fluxo compassado da Terra, estabelecendo uma relação macro e micro do movimento das folhas com o oceano. O som das águas integra o espaço, convidando o público a adentrar um ambiente permeado de introspecção e organicidade.

Wayner Tristão é artista, cineasta, pesquisador, Doutor em Artes Visuais e autor dos livros Urbanidades: aportes del arte público en la construcción de la mirada en las megalópolis contemporáneas e Eternidade do instante: gifs, loopings, imagem técnica atemporal. Diego Ramos é artista visual e historiador, radicado em São Paulo, com uma pesquisa em audiovisual concentrada em cinema experimental, videoarte e patrimônio cultural.

As obras foram selecionadas na edição de 2022 do edital Ocupa CCVM, que recebeu propostas voltadas para a investigação do audiovisual em sua amplitude de criação, relacionando-o com outras linguagens artísticas. A exposição ficará em cartaz até o dia 11 de março. O Centro Cultural Vale Maranhão fica localizado na Rua Direita, nº 149, Centro Histórico de São Luís.

Projeto Agita Bairros chega ao Vinhais neste sábado (4)

Evento patrocinado pela Lei de Incentivo ao Esporte promove tarde de lazer a comunidades da capital maranhense de forma gratuita.

Inclusão social por meio de atividades de esporte e lazer. É com este objetivo que o Projeto Agita Bairros: Esporte e Lazer nas Comunidades chega à sua quarta edição. Neste sábado (4), o bairro do Vinhais, em São Luís, vai receber as atividades dessa importante iniciativa, que conta com os patrocínios do governo do Estado e do El Camiño Supermercados por meio da Lei Estadual de Incentivo ao Esporte. A programação é totalmente gratuita e terá início a partir das 14h, na Praça do Letrado.

“É importante ressaltar que o Agita Bairros é para todos. Vamos ter diversas atividades que serão desenvolvidas por uma equipe especializada em lazer, esporte recreativo, arte e cultura”, explicou Kléber Muniz, coordenador do projeto.

Jogos, brincadeiras lúdicas, oficinas, apresentações artísticas e culturais são algumas das atividades que vão movimentar esta edição do Agita Bairros. Além disso, haverá, ainda, aulão de dança para toda a comunidade. É importante destacar que todas as atividades que ocorrerão no neste sábado são gratuitas, assim como nas edições anteriores do projeto.

Antes de chegar ao Vinhais, o Agita Bairros já havia sido realizado uma vez no bairro do Monte Castelo e outras duas oportunidades no Cohatrac. “Nosso muito obrigado ao governo do Estado, à Secretaria de Esporte e Lazer e ao El Camiño Supermercados por incentivarem essa importante inciativa. Contamos com a presença da comunidade do Vinhais e adjacências. Em cada edição do projeto é montada uma grande estrutura com espaço para dança e brincadeiras lúdicas para as crianças e disponibilizamos brinquedos infláveis e lanche para todos os participantes”, concluiu Muniz.

Tudo sobre projeto Agita Bairros: Esporte e Lazer nas Comunidades está disponível no Instagram oficial da competição. O endereço é o @agitabairros.

Mineração em terras indígenas da Amazônia aumentou 1.217% nos últimos 35 anos

Elton Alisson | Agência FAPESP – A mineração em terras indígenas na Amazônia Legal aumentou 1.217% nos últimos 35 anos, saltando de 7,45 quilômetros quadrados (km2) ocupados por essa atividade em 1985 para 102,16 km2 em 2020. Quase a totalidade (95%) dessas áreas de garimpo ilegal está concentrada em três terras indígenas: Kayapó, seguida pela Munduruku e a Yanomami.

Os dados são de um estudo feito por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e da Universidade do Sul do Alabama, dos Estados Unidos. Os resultados do trabalho foram publicados na revista Remote Sensing.

“Observamos um crescimento constante da mineração em terras indígenas entre 1985 e 2020, que se agravou a partir de 2017. Naquele ano, o garimpo ilegal ocupava 35 kmem terras indígenas e, em 2020, saltou para quase 103 km2”, diz à Agência FAPESP Guilherme Augusto Verola Mataveli, pós-doutorando na Divisão de Observação da Terra e Geoinformática do Inpe, bolsista da FAPESP e primeiro autor do estudo.

Outros autores do artigo são Michel Eustáquio Dantas Chaves, também pesquisador do Inpe, e Elton Vicente Escobar Silva, doutorando na instituição.

A fim de identificar as áreas de mineração em terras indígenas, os pesquisadores usaram um conjunto de dados referentes ao período de 1985 a 2020 fornecido pelo projeto MapBiomas – uma rede colaborativa formada por organizações não governamentais, universidades e startups de tecnologia que mapeia a cobertura e o uso do solo no Brasil.

A iniciativa classifica o tipo de uso e cobertura da terra em todo o Brasil por meio da análise automática, feita por algoritmos, de imagens obtidas por satélites, com resolução espacial de 30 metros.

“Com base na classificação automática das imagens, o sistema é capaz de distinguir uma área de floresta de outra com mineração consolidada, que tem solo exposto e características muito diferentes da cobertura vegetal”, explica Mataveli.

Uma das limitações do sistema para identificar mineração em terras indígenas, contudo, é a impossibilidade de classificar o garimpo em embarcações ancoradas em rios ou em pequenas áreas onde não ocorreu a conversão da floresta para essa atividade.

“Esse número alarmante do avanço da mineração em terras indígenas na Amazônia Legal que levantamos provavelmente é ainda maior se levarmos em conta essas limitações do conjunto de dados utilizados”, afirma Mataveli.

Nova fronteira do garimpo

De acordo com dados do estudo, a maior parte do garimpo ilegal dentro das terras indígenas na Amazônia Legal está relacionada à mineração de ouro (99,5%) e apenas 0,5% à mineração de estanho.

Essa atividade está mais intensa na terra indígena Kayapó, onde a estimativa da ocupação da área por garimpeiros em 2020 – de 77,1 km2 – foi quase 1.000% superior à encontrada em 1985, de 7,2 km2.

Já na terra indígena Munduruku a atividade mineradora apresentou forte crescimento a partir de 2016, saltando de 4,6 km2 para 15,6 km2 em apenas cinco anos. O mesmo padrão foi encontrado na terra indígena Yanomami, onde o garimpo ilegal ocupava 0,1 km2 em 2016 e avançou para 4,2 km2 em 2020.

“São nessas três terras indígenas que o poder público tem que, de fato, atuar, por meio da intensificação de ações de fiscalização, para impedir o avanço da mineração ilegal”, avalia Mataveli.

De acordo com o pesquisador, a terra indígena Yanomami, demarcada em 1992, é a mais isolada entre as três. Esse isolamento dificultou por muito tempo o acesso de garimpeiros ilegais. O aumento da cotação do ouro no mercado internacional e o enfraquecimento da proteção da Amazônia Legal nos últimos anos, contudo, estimularam os investimentos em infraestrutura de acesso a essa área protegida.

“Essa combinação de fatores culminou na transformação da terra indígena Yanomami em uma nova fronteira da mineração”, afirma Mataveli.

Segundo dados do estudo, em 2018, a mineração ultrapassou, pela primeira vez, 2 km2 na terra indígena Yanomami. Desde então, o aumento exponencial dessa ilegalidade resultou em um cenário de invasões e violações de direitos humanos.

Em 2022, a Polícia Federal identificou um aumento de 505% na mineração às margens do rio Uraricoera. As lideranças Yanomami estimam a presença de mais de 20 mil garimpeiros ilegais dentro do território indígena, enquanto o número total de indígenas é de cerca de 30 mil. Além disso, a presença de garimpeiros ampliou os casos de malária e espalhou outras doenças infecciosas para os povos indígenas.

“A tragédia que estamos vendo hoje, com a crise humanitária dos Yanomami, já era previsível”, diz Mataveli.

Para reverter esse cenário é preciso, em um primeiro momento, identificar e monitorar as terras indígenas onde o garimpo ilegal tem aumentado de forma mais expressiva nos últimos anos. Além disso, é preciso coibir o desmatamento.

Normalmente, a mineração na Amazônia Legal, incluindo nas terras indígenas, ocorre após o desmatamento, diz Mataveli.

“A mineração ilegal na Amazônia está muito ligada ao desmatamento, porque é preciso desmatar a floresta para depois explorar o solo”, afirma.

O artigo Mining is a growing threat within indigenous lands of the brazilian Amazon pode acessado em: www.mdpi.com/2072-4292/14/16/4092.